“Gozo supremo, sensação estranha, quando escorre poesia de minhas entranhas…”